1º Fórum Africano Anticorrupção no Egipto termina com 10 recomendações

Incluem o lançamento de um indicador africano de combate à corrupção, a melhoria da partilha de informações sobre crimes de corrupção no continente e o fortalecimento dos organismos nacionais de combate à corrupção.


O Presidente da Autoridade de Controlo Administrativo do Egipto, Sherif Saif Eddin, transmitiu os agradecimentos e gratidão do Presidente Abdel-Fattah El-Sisi aos convidados do Fórum do Fórum Africano Anti-Corrupção (AACF) na quinta-feira.

Durante a sessão de encerramento da AACF de dois dias no Egito, Sharm El-Sheikh, o ministro Saif Eddin disse que a corrupção é o maior inimigo dos povos do continente africano.

“A corrupção representa um enorme desafio aos esforços de democratização e estabilidade, construindo estados fortes capazes de fazer escolhas e responsabilizando os envolvidos para impedir seu progresso”, disse ele.

“Durante as sessões da AACF, ouvimos muitos pontos de vista diferentes e testemunhamos sérias discussões que visavam alcançar mecanismos decisivos para enfrentar a corrupção e eliminá-la. Todos apresentaram sua visão e se beneficiaram um do outro ”, disse ele.

No final de seu discurso, o presidente da Autoridade de Controle Administrativo listou as dez recomendações da sessão de encerramento da AACF:

– Preparar um plano estratégico integrado para combater e prevenir a corrupção no continente africano, que incluirá as áreas de educação, pesquisa científica, mídia, o judiciário e o controle técnico, e promoverá o desenvolvimento econômico e humano, através da formação de um comitê conjunto. das agências relevantes para preparar e acompanhar as estratégias nacionais dos países africanos a este respeito.

– Consolidar esforços para desenvolver um indicador africano para medir a corrupção, que corresponda ao contexto africano e reflita as suas especificidades, tendo em conta as diferenças individuais entre os países africanos.

– Lançar uma plataforma continental baseada em pontos focais nacionais encarregados de acompanhar a evolução dos casos de corrupção e os resultados dos esforços de combate à corrupção; e também acompanhar os compromissos dos Estados signatários da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção e da Convenção da União Africana sobre a Prevenção e Combate à Corrupção de 2003, no que se refere às medidas e procedimentos anticorrupção adotados por eles, em conformidade com seus respectivos sistemas legais. e princípios constitucionais, com o objetivo de limitar o fenômeno da corrupção, desde que todas as partes se reúnam anualmente para declarar resultados e recomendações concluídas.

– Criar um mecanismo eletrônico seguro para troca instantânea de informações sobre crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo entre Estados com interesses comuns, enquanto expande os esforços de mobilização das autoridades africanas anticorrupção para aumentar a conscientização pública e encorajá-los a relatar todas as formas de corrupção.

– Estabelecer um mecanismo legal para combater a corrupção entre os estados africanos no que diz respeito à recuperação de fundos perdidos devido a crimes de corrupção, sob a forma de um protocolo anexo à Convenção da União Africana sobre Prevenção e Combate à Corrupção, desde que as respectivas decisões mecanismo seja vinculativo para todos os estados que são partes da convenção.

– Analisar constantemente os mecanismos anticorrupção e desenvolvê-los e atualizá-los em conformidade com o contexto específico dos respectivos estados, ressaltando os objetivos comuns dos Estados africanos de obter transparência rigorosa, desde que esses procedimentos sejam realizados na assembléia anual da Associação. Autoridades Africanas de Combate à Corrupção (AAACA).

– Promover a cooperação com parceiros internacionais para tornar acessíveis todos os potenciais financeiros e técnicos para combater a corrupção, a fim de realizar interesses comuns.

– Expandir a conclusão de memorandos de entendimento e protocolos de cooperação entre a Academia Nacional de Combate à Corrupção no Egito, centros de treinamento e autoridades de controle africanas, com o objetivo de treinar e desenvolver quadros africanos qualificados no combate e prevenção da corrupção, promovendo valores de integridade e transparência.

– Estudar o desenvolvimento de um mecanismo regular para convocar a AACF regularmente, e compartilhar o status de implementar as respectivas recomendações emitidas regularmente pelas sessões do fórum.

– Desenvolver as capacidades das entidades envolvidas no combate à corrupção para identificar os métodos modernos utilizados para branquear as verbas obtidas com crimes de corrupção, adotando medidas rigorosas para abordar as razões das fraquezas de África no que diz respeito à recuperação de bens contrabandeados, com o objetivo de localizar , apreendendo e recuperando os ativos contrabandeados.

O Presidente Abdel-Fattah El-Sisi inaugurou na AACF na quarta-feira; Mais de 200 altos funcionários de 48 países africanos e nove organizações internacionais participaram da conferência.

O objetivo declarado do fórum era incentivar os países africanos a adotarem políticas, programas e planos de trabalho que contribuam para a erradicação da corrupção no continente.

O fórum visava igualmente, de acordo com os discursos de abertura proferidos por vários representantes dos organismos africanos de luta contra a corrupção, estabelecer uma base de conhecimentos partilhada entre diferentes regiões do continente sobre os riscos de corrupção e o seu grave efeito negativo no desenvolvimento.

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Jordânia e Kuwait foram convidados de honra no fórum.

A AACF foi organizada pela Autoridade de Controle Administrativo do Egito em cooperação com os ministérios de justiça, relações exteriores e interior, a Organização Central de Auditoria, o Ministério Público, a unidade de combate à lavagem de dinheiro e a Autoridade de Ganhos Ilícitos.

O primeiro-ministro Mostafa Madbouly, o presidente da Câmara dos Deputados Ali Abdel-Aal, o ministro da Defesa, Mohamed Zaki, o ministro do Investimento e Cooperação Internacional Sahar Nasr e a ministra do Planejamento Hala El-Saeed participaram do fórum, entre outros altos funcionários do Estado.


Os são-tomenses que fizeram representar no Fórum

Partilha
Share

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *