Principais recomendações do Relatório Sombra ODS 16

Resumo Executivo e Principais Conclusões

O combate à corrupção continua a ser uma prioridade fundamental nas ilhas de São Tomé e Príncipe. Apresentação do relatório alternativo aos alunos do Liceu Nacional - Integração Social ODS2015-2030
Nos últimos anos, não houve desenvolvimento importante no combate à corrupção, no desenvolvimento de planos para aumentar a responsabilização das instituições públicas e melhorar o acesso dos cidadãos à informação. Em 2012, foi aprovado novo Código Penal que trouxe melhorias, que ampliou os poderes detidos pelo Ministério Público, incluindo o poder de processar qualquer pessoa incluindo os titulares de cargos políticos que cometer atos de corrupção e atos específicos de corrupção que possam ser processados. Também criou um departamento de acusação no judiciário especializado em casos no Ministério Público e na Policia Judiciária, faltando ainda um programa de testemunhas legais com a tarefa de garantir o anonimato e a proteção de testemunhas e informantes.


A Lei contra o Terrorismo e o seu Financiamento, Lei 03/2018, foram adotadas novas regulamentações contra o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo para instituições financeiras licenciadas e Atividades e Profissões NãoFinanceiras Designadas(APNFDs). Esta medida reforçou a legislação nestas áreas com as normas internacionais. Além disso, novas alterações à Lei do Ministério Público foram propostas em 2018. Essas alterações conferem à MP o poder de monitorar e verificar casos de crescimento anormal da riqueza. As alterações também colocam os processos eleitorais no âmbito da supervisão do MP. Além disso, as alterações afirmam explicitamente que as penalidades relacionadas à corrupção, além da recuperação de ativos obtidos de corrupção, não estão sujeitas a limitações de prazo. Espera-se que informações sejam coletadas de instituições governamentais relevantes sobre os bens do acusado, seus cônjuges e seus filhos menores, que podem ser usados ​​na deteção de casos de corrupção.


Na responsabilização das instituições públicas, a informação sobre contratos públicos ainda não é acessível ao público. Além disso, o Governo de São Tomé e Príncipe no pessoa do Primeiro-ministro comprometeu-se desenvolver todos os esforços para trazer mais informações sobre a gestão do país no portal eletrônico disponível para cidadãos, deputados da Assembleia Nacional, doadores e investidores para monitorar o desempenho do governo. O banco de dados irá monitorar o desempenho especificamente rastreando a implementação de planos do governo em diferentes departamentos governamentais. Está nos planos para lançar e melhorar um sistema de registro de reclamações e um mecanismo de acompanhamento, que tratará de reclamações e as encaminhará ao judiciário. Essas queixas podem incluir violações cometidas contra cidadãos e serviços governamentais e sua provisão.


São Tomé e Príncipe também comprometeu-se, no seu relatório OGP 2017, a rever o seu quadro legislativo, identificando lacunas e propondo um novo pacote de legislação e alterações. Em particular, esta legislação trabalhará para alinhar o acesso de São Tomé e Príncipe às políticas de informação com as melhores práticas internacionais. Para melhorar o acesso à informação na prática, uma política de fontes de dados abertas que facilite o acesso aos dados em posse do governo será implementada por meio de uma plataforma on-line.


As organizações da sociedade civil de São Tomé e Príncipe (OSC) também desempenharam um papel fundamental para garantir que São Tomé e Príncipe cumpra os seus objetivos de desenvolvimento. De acordo com as OSC selecionadas de São Tomé e Príncipe, a influência da sociedade civil baseou-se principalmente nas duas seguintes esferas: consciencialização pública sobre a importância da transparência em instituições públicas e privadas e realização de oficinas de consciencialização jurídica e representação para garantir acesso igual à justiça. O CIPSTP, por sua vez, desempenhou um papel na publicação de relatórios que rastreiam o progresso de São Tomé e Príncipe e fornecem recomendações para combater efectivamente a corrupção.
No entanto, existem muitas áreas nas quais mais pode ser feito para incentivar a integridade e a responsabilidade. Segundo os membros das OSC São Tomé e Príncipe, as práticas de corrupção e suborno permanecem em todos os níveis e em todas as esferas – privada, pública e a própria sociedade civil. Mais deve ser feito, portanto, para assegurar que as instituições anticorrupção tenham a capacidade de realizar seu trabalho de maneira plena e efetiva. Mais deve ser feito também para capacitar as OSCs que acompanham o progresso de São Tomé e Príncipe em medidas anticorrupção.
 De acordo com os representantes dessas OSCs, o primeiro passo para alcançar é garantir um processo de aprovação governamental mais transparente e simplificado para a obtenção de financiamento.
 Em segundo lugar, as OSC devem trabalhar para melhorar a cooperação e a coordenação entre si, de modo a assegurar a partilha adequado de conhecimentos e alcance em todo o país. No que diz respeito ao acesso à informação, representantes das OSCs de São Tomé e Príncipe afirmam que o acesso público à informação, de acordo com A legislação nacional e as convenções internacionais devem ainda ser garantidas e fortemente reforçadas. Além disso, na área da liberdade de expressão, deve-se notar que, nos últimos anos, tanto a censura instaurada pelo governo, quanto a censura autoimposta entre instituições de mídia , tornou-se prática comum pelo bem declarado de manter a ordem pública. 


Também resta espaço para melhorias em certas frentes legislativas. Como a lei atualmente se sustenta, apenas as empresas públicas e estrangeiras que operam em São Tomé e Príncipe são obrigadas a publicar suas contas anuais e apoiar relatórios financeiros para visualização pública. Isso ressalta a necessidade de maior transparência do setor privado por meio de relatórios públicos. Os requisitos de relatórios públicos também ajudariam a estimular a prestação de contas no setor público, por meio de declarações regulares, idealmente públicas, feitas por funcionários de alto nível sobre seus interesses, ativos e renda. Além disso, um conjunto de leis que tratam da transparência do lobby ainda deve ser desenvolvido, e mecanismos de supervisão mais rigorosos devem ser instalados para examinar mais eficientemente o fluxo de armas e outros ativos relacionados à indústria de armas fora do país.

Deodato Capela
Partilha
Share

Comments

comentários

Powered by Facebook Comments

VOTO CONSCIENTE

#BANHO termo são-tomense, referindo a compra de consciência no sentido de voto, imputado no artigo 441º nº 2 alínea a, do CP (Fraude e corrupção do eleitor). Tratando também na Lei eleitoral nº290, no artigo 194º. Corrupção eleitoral). Glossário Anticorrupção … read more

Partilha
Share

LISTA DOS PARTIDOS POLÍTICOS

UDD – Partido da União Democrática para o Cidadania e Desenvolvimento Presidente: Manuel dos Santos Diogo Coelho do Nascimento Secretário-geral: Jaime Marcelo Siqueira de Menezes Endereço e Contactos: 00239 9870046 Website: PCD- Partido de Convergência Democrática Presidente: José Luiz Xavier Mendes Secretário … read more

Partilha
Share